Título: Amor de Cordel
Autora: Andrea Marques
Editora: Pandorga
Número de Páginas: 400
Ano de Lançamento: 2016
Livro cedido em parceria com Lilian Comunica Assessoria de Imprensa e Editorial.

Sinopse:
Aos 38 anos de idade, Carolina Borges achava que tinha a vida perfeita. Casada com Miguel, era feliz mesmo sem ter realizado o sonho da maternidade. No entanto, a convivência com o marido e seu bom desempenho profissional a deixavam satisfeita e segura. O destino lhe prega uma peça e, sem esperar, ela vê sua vida se modificar significativamente. Seu casamento chega ao fim, e sua carreira como terapeuta ocupacional, que sempre lhe proporcionou alegrias, passa a torturá-la. Isso acontece quando o jovem arquiteto Alexandre Bastos entra em seu consultório pela primeira vez, despertando em Carol sentimentos conflituosos que a farão repensar seus valores e a obrigarão a sair de sua zona de conforto para se arriscar em terrenos desconhecidos que poderão colocar em risco sua própria vida. Permeado por traições e intrigas, Amor de cordel é um romance contemporâneo que traz à tona assuntos do universo feminino, além de despertar a paixão até nas mulheres mais modernas e independentes.
Crítica:

Em Amor de Cordel conhecemos Carolina Borges, uma Terapeuta Ocupacional de 38 anos que acaba de se separar do marido que admitiu estar apaixonado por outra e pediu a separação. Arrasada Carol tenta recomeçar a vida e superar a separação. Com o dinheiro do antigo apartamento, que ela é Miguel (seu ex-marido) concordaram em vender e repartir o dinheiro, ela compra um outro apartamento e começa a vida do zero. Tenta se ocupar com a academia, começando a fazer uma aula de Ballet para adultos e faz amizades em seu prédio novo.

Carol trabalha em dois lugares, um deles um hospital público e o outro uma clínica particular. Nesta clínica seu chefe direciona para ela um amigo que sofreu acidente de moto e ele recomenda a Terapia Ocupacional para que ele melhore a mão que está machucada. Até aí, tudo bem. O que Carolina não contava é que este amigo seria o bonitão Alexandre Bastos de 27 anos... loiro, olhos verdes cor de Jade, alto, malhado... Um deus grego não é mesmo? Além de toda essa beleza, ele é super educado, cavalheiro, culto e atencioso, o que desperta mais ainda o interesse de Carol. Porém, ela tenta se conter ao máximo, afinal ele é seu paciente e além disso ela acha impossível que eles possam dar certo já que ele é mais novo e de uma classe social bem mais alta que a dela. É claro que depois de tanto relutar, ela acaba não resistindo as investidas de Alexandre e quando seu tratamento está acabando eles acabam ficando juntos. Mas é como dizem... Felicidade atrai inveja e não vai demorar muito para que algumas pessoas queiram destruir a felicidade dos dois, resta saber se os dois conseguirão sobreviver bem a tudo isso.

Bom, é muito amor por esse livro para conseguir descrever em palavras, mas tentarei. A primeira olhada para o livro as pessoas podem achar que é apenas mais um livro de romance, mas é muito mais do que isso. Aprendi muito com o livro, principalmente sobre Terapia Ocupacional. Confesso, com muita vergonha, que eu achava que era apenas uma atividade que faziam com pessoas idosas para as ocupar mesmo... tipo artesanato e outras artes. Eu estava muito enganada o tempo todo. Terapia Ocupacional pode ter as mesmas atribuições que a fisioterapia, porém com a diferença que busca fazer com o paciente tenha melhorias para facilitar seu dia a dia, sem contar nas adaptações que podem fazer para que pessoa com dificuldades motoras possam se "virar" sozinhas. Adorei também conhecer diversas estórias sobre pessoas que fizeram TO, que eu acredito que sejam baseadas em fatos reais.

Gostei muito do romance construído entre Carolina e Alexandre, pois não foi aquela coisa chata e forçada em que a mocinha joga tudo pro alto e se joga nos braços do mocinho bonitão. Carol tem lutas internas com o que acha certo e errado e isso faz com que demorem a ficar juntos devido a sua ética profissional. Entretanto me irritou muito, várias vezes, a insistência de Carol em não poder se casar com Alexandre porque ela não lhe daria filhos e ele iria querer isso, etc. Eu esperava que até o fim do livro ela teria superado isso, mas parece que não. Alexandre por sua vez nunca havia se apaixonado e é completamente louco por Carolina e isso é visível para todo mundo, menos para ela. Ele faz todas as suas vontades e até tenta adivinhar pensamentos se possível e tudo o que mais quer é se casar com ela.

Simplesmente amei os personagens Gustavo e Lucas, que foram os vizinhos de Carol e melhores amigos dela nessa trama toda. Eles sempre estavam certos e tinham os conselhos certos para dar, mas é claro que nem sempre ela escutou, e o amor dos dois também é muito lindo e inegável.

Adorei como o livro se desenvolveu, eu realizei a leitura de maneira lenta, não que o livro estivesse chato, mas parece que todas as informações e acontecimentos vão se impregnando aos poucos em você e da mesma maneira você vai digerindo aquelas informações. Achei também que a autora foi bem coerente a vida real não deixando nada estranho ou que possa ser questionado. A diagramação deste livro é muito linda e estou apaixonada pelos detalhes no início de cada capítulo. A letra é de certa forma pequena, mas nada que seja impossível de ler e a folha amarelada deixou a leitura fácil também. Encontrei apenas dois erros de escrita, mas coisa pequena e que não afetou em nada minha leitura. E nem preciso dizer que amei esta capa linda que me encantou profundamente.
Escolhi essa foto, pois, apesar de ser um momento muito conturbado da minha vida pessoal devido à separação, ela também mostra que é possível sorrir e esquecer um pouco das próprias dores quando se olha para a felicidade de quem amamos. - Pág. 26
Fui para casa pensando em como as pessoas podem ser tão interesseiras em alguns momentos e se deixar levar pelo próprio egoísmo e não pensar nos sentimentos dos outros. - Pág. 78
Suspirei e vários sentimentos se misturaram no meu peito... a Alegria pelas suas palavras, o amor desmedido que sentia por ele, o receio pelo fim inevitável, a dor que essa perda me traria... mas não falei a respeito, apenas beijei-lhe os lábios [...] - Pág. 222

Nota:



Título: O Segredo dos Becker
Autora: Alane Brito
Leia no Wattpad

Sinopse:
Até os dezesseis anos, Sarah acreditou na história que seus pais lhe contaram que justificava as razões da necessidade de se mudarem para uma pequena cidade, e precisarem de novas identidades por terem arrancado Michael de sua família quando era bebê e o manterem escondido em sua casa, isolado de qualquer contato com o mundo exterior, segredo que ela precisou esconder até de seus melhores amigos. Sem que percebesse, o afeto por Michael se transforma em amor, trazendo a ela o desejo de fazê-lo experimentar um pouco da vida normal. Em decorrência disso, a situação começa a mudar e seus olhos se abrem pouco a pouco para uma cruel verdade que ela nunca ousou ter imaginado.
Crítica:

Em O Segredo dos Becker, Sarah nos apresenta sua família e nos conta sua estória e como foram acabar morando em Sunshine Town. Moram em uma casa afastada da cidade e o pai odeia que recebam visitas, ela nem pode levar os amigos em casa. Tudo isso, porque os Becker tem um segredo e se alguém descobrir, pode colocar muita coisa em risco.

Os pais de Sarah tinham vizinhos que espancavam seu filho menor, quando moravam no Oregon. Haviam tentado conversar com o casal, haviam denunciado, mas nada fazia cessar as agressões ao menino de mais ou menos um ano de idade. Um dia decididos resolveram resgatar o menino de seus pais agressores e fugiram com ele para Sunshine Town. Como a mãe de Sarah estava grávida dela, Sarah acabou nascendo no meio do caminho. Desde então Mike (o menino) vive escondido em casa, não pode sair e ninguém pode saber sobre ele. Porém Sarah acha que tem muito mais segredos aí do que foi dito a ela e vai fazer de tudo para realizar o sonho de tirar Mike da solidão daquela casa.

A única coisa que posso dizer sobre os 5 capítulos que eu li para fazer este primeiras impressões é que foram incríveis me deixaram pedindo por mais! Já estou com o livro no Wattpad para continuar a leitura, pois eu não vou conseguir ficar sem saber o que acontece. A escrita é muito envolvente e inteligente. Fiquei completamente absorta na leitura e claro cheia de desconfianças juntando todas as coisas que a Sarah conta, e já criei várias teorias na minha cabeça. Apenas lendo estes capítulos pude ver que o livro possui uma trama densa e bem organizada, e esse suspense que a estória deixa é realmente delicioso.

Achei a capa do livro bem bonita e imagino ser Sarah nela. Não encontrei nenhum erro de português durante a leitura, estava tudo impecável. Recomendo a leitura de O Segredo dos Becker para todos e se quiserem ler o livro está no Wattpad e já conta com 40 capítulos.
Refletir sobre essas coisas me faz pensar em como não conhecemos ninguém e nunca sabemos os verdadeiros intuitos, até que decida, enfim, mostrar quem realmente são. Isso ou quando descobrimos por conta própria. Mas talvez nem as próprias saibam do que são capazes, talvez nem eu saiba do que sou. Ao que ultimamente venho me perguntado:
Será que realmente me conheço?
Bom... Cresci assim, tendo que aceitar que uma das pessoas que eu mais amava não existia para o resto do mundo. Temia tanto perdê-lo que fiz tudo o que meus pais orientaram para mantê-lo escondido. Então, um dia, percebi que eles não escondiam a verdade apenas das outras pessoas. Eles a escondiam de mim também.
Nota:

Título: Mulheres que não sabem chorar
Autora: Lilian Farias
Editora: Giz Editorial
Número de Páginas: 210
Ano de Lançamento: 2016
Livro cedido em parceria com a autora.

Sinopse:
A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionado pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram com o acaso.

Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas?

Mulheres que não sabem chorar é mais que uma história de amor entre iguais. Junto a estas personagens tão humanas, o leitor vê-se despido dos preconceitos, pudores e medos. Ora crua, ora poética, a trama nos obriga a enfrentar o espelho e se ver como nunca imaginou antes. Pois ao mergulhar neste romance, o que fará você pensar não é a forma como vê o amor, mas sim a forma com que ele se volta em sua direção. Esteja preparado.

(Danilo Barbosa - Autor de Arma de Vingança)

Crítica:

Mulheres que não sabem chorar, é um livro baseado em histórias de mulheres reais que a autora entrevistou. Lilian Farias colocou em personagens fictícios a história de todas essas mulheres e criou uma estória cheia de tramas, reflexões e emoções. 

Neste livro temos como personagens principais Ana, Olga e Marisa. Vamos aos poucos conhecendo cada uma das personagens principais, como são suas vidas e também acabamos conhecendo a estória de pessoas que vivem ao seu redor, ou que fizeram parte de seus passados. Ana é uma jovem adulta, independente que gosta de fazer trabalhos sociais e ajudar o próximo, porém ela afasta da mãe e do irmão e evita o pai ao máximo. O motivo para tudo isso só nos é revelado na conclusão do livro. Marisa é uma mulher de temperamento forte que devido ao sofrimento que passou durante a infância com os pais, acabou fazendo várias escolhas erradas que acabaram influenciando em sua vida. Agora viúva e com os filhos crescidos, tem que lidar com a ida dos filhos para um intercâmbio que fez com que ficasse sozinha,  Olga é alcoólatra, várias coisas fizeram com que ela se tornasse uma e com isso perdeu algo muito importante, a chance de ver a filha crescer. Com a morte da filha, ela fez uma promessa e agora vai ter de tentar ao máximo para largar o seu vício.

Ana é sempre fechada e mal percebe, mas esta sempre afastando as pessoas de si. É apaixonada por Verônica que é caixa no banco que frequenta e que já viu algumas vezes em um parque frequenta, as duas acabam se tornando amigas, mas tem um porém... Verônica já é casada com outra mulher, o que torna o romance entre as duas praticamente impossível. Olga e Marisa são vizinhas que vivem brigando e se detestam, Marisa faz de tudo para ver Olga mal. Mas um acontecimento trágico e terrível, vai uni-las quando Marisa resolve defender, proteger e cuidar de Olga. E é a partir deste momento, que primeiramente se tornarão amigas e não muito tarde algo a mais.

Um livro impactante, é tudo o que tenho a dizer. Com todas estas estórias/histórias narradas aqui, seu jeito poético e reflexivo de escrever, Lilian nos faz pensar muito sobre todos os acontecimentos. Várias vezes tive que parar a leitura para refletir por um momento. Apesar de o livro tratar da estória de mulheres homossexuais, ele traz estórias paralelas que também aconteceram com heterossexuais. E você percebe que todas as estórias, independente de gênero, aconteceram, acontecem e podem acontecer todos os dias com qualquer mulher.

Este é o primeiro livro LGBT que eu leio e eu só posso dizer que, não há nada de diferente que os outros. A única coisa que consegui enxergar nos romances, foi amor e amor é simplesmente amor, independente de cor, religião, escolha sexual, etnia, etc.

Me envolvi bastante com a estória e todos os personagens, principalmente Olga que foi a personagem a quem mais me apeguei. Sofria ao vê-la sofrendo e quando ela tinha alguma recaída e algo ruim acontecia com ela, era pior ainda. De todas as personagens, Marisa foi a que menos me cativou... Simplesmente não consegui gostar dela, a achei muito arrogante e ela me irritou profundamente em várias partes.

A escrita do livro é fantástica e depois de dois livros, já posso dizer que estou apaixonada com a escrita de Lilian Farias. Não encontrei muitos erros no livro, porém no capitulo "Glória-da-Manhã" a personagem Andressa, com quem Anna teve um caso, é chamada de Vanessa quando ela esta se lembrando do livro de sonhos que Andressa a ajudou a fazer. E neste mesmo capitulo, Ana se encontra com Verônica e se refere a ela como Vanessa, e só quando se inicia uma fala é que o nome aparece como Verônica. Adorei o fato dos capítulos terem nomes de flores e cada uma ter um significado com sentimentos relacionados a cada momento da estória. Achei a capa muito linda e adorei o detalhe de discretamente haver um rosto de mulher nele.

Quando a gente vive com medo, tudo é pretexto para repudiar o novo. Nós nos proibimos e nos machucamos sem sequer ter experimentado. - Pág. 35
O mais engraçado é que sempre tive medo da solidão, e esse medo é que me mantinha só. - Pág. 58
Algumas cargas, só as mulheres compreendem. E quando uma mulher chora aliviada, o universo também sente. Outras mulheres também sentem. - Pág. 184

Nota: