13 novembro 2015

Resenha: As Sete Luas - Salustiano Souza



Sinopse: As obras da Usina de Belo Monte, no Estado do Pará, Região Norte do Brasil, correm a todo vapor. Uma grande área de terra será inundada, provocando inúmeros prejuízos à natureza e aos povos indígenas da região. A recusa dos índios Kambebas, de saírem de suas terras ameaça a conclusão da obra. Ligados à questão da desocupação do espaço estão o militar Capitão Marcos, a bela Sofia e o ambicioso Jorge, cujos destinos se entrelaçam.

Impressões: Este livro conta a história dos índios Kambebas, cuja aldeia está localizada no terreno que será inundado devido a construção da Usina Belo Monte. Eles não querem sair de sua terra, também terra de seus antepassados e onde tem muita história. Sofia depois de sofrer uma desilusão amorosa e passar um tempo na índia, acaba indo viver na aldeia com os Kambebas. Capitão Marcos é um homem assombrado pelo passado e encontra conforto todas as noites na bebida, os interessados em terminar a usina de Belo Monte precisam da ajuda dele para negociar com os índios, já que ele sabe a língua deles. O Capitão vai negociar com os índios e recebe uma proposta do Pajé, que passe sete luas com a tribo vivendo como um índio, ou seja, uma semana. Depois de passadas as sete luas, ele poderá decidir o destino daquela tribo, seja ele qual for. Jorge e Doutora Raquel fazem parte do consorcio que está interessado em construir a usina e tirar os índios de lá de qualquer maneira.

 Jorge é um homem que está acostumado a passar por cima de todos para conseguir o que quer, ele foi o responsável por quebrar o coração de Sofia, mas ainda nutre sentimentos por esta. Doutora Raquel tem um passado obscuro e dor, o que leva a crer que isso possa ter contribuído para ser como é, descontando suas frustações em tudo e em todos. Ambos possuem uma vontade serem pessoas melhores e de fazerem o bem, mas este acaba não sendo o caminho escolhido por eles.

Temos como personagens principais os índios Kambebas, Capitão Marcos, Sofia, Doutora Raquel e Jorge. Mas muitos outros personagens fazem grandes contribuições para a história. A história é narrada em terceira pessoa e sob a visão de vários personagens contam esta maravilhosa trama e contribuem para o seu desfecho.

A maneira como as tradições, rituais e filosofias indígenas são descritos na obra é realmente maravilhoso e encantador, não há outra maneira de descrever. O autor soube explorar muito bem esta parte em seu livro.

Amei a capa, achei ela linda e bastante atrativa. Adorei o design do interior do livro e achei adorável a meia lua que acompanha o número do capitulo.  Posso dizer que com certeza esse livro agora faz parte dos meus favoritos.

Curtam a página do facebook do livro, a cada 100 curtidas o autor vai doar um exemplar para uma escola.

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. E a vontade de ler o livro, como fica?
    Gente, eu adoro a Lua, e ter um livro que acompanha miticismo, mistério e ainda que se passa aqui no Brasil, em uma realidade que é completamente diferente da nossa me deixou com ainda mais vontade de ler.
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    ~ Chu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa esse livro é maravilhoso, sério mesmo, foi amor instantâneo ao ler ele. Me apaixonei muito, a estória é super interessante e te prende do inicio ao fim!
      Fico feliz que tenha gostado da resenha!

      Beijos!

      Excluir