06 novembro 2015

Resenha: O Ser-se - Júnia Azevedo


Sinopse: Nesta instigante poética sobre o ser se encena a densidade abissal da experiência, assim como as matizações intensivas do corpo, de forma que personagem se pluraliza e se desdobra ao infinito, pois o ser se declina na reflexividade e se conjuga como processo. Dai o antinaturalismo radical que perpassa esta narrativa apaixonante, pela qual o sujeito se enuncia na multiplicidade do devir, modulando que é pelos acordes sublimes de Fernando Pessoa. - Joel Birman

Impressões: Em O Ser-se somos apresentados a uma narradora sem nome, ou melhor dizendo a X. Ela narra a história e nos envolve em uma melancólica conversa sobre conhecer a si mesmo, descobrir-se e aprender a se amar. Traída pelo homem desconhecido, X está em busca para “ser-se” e nessa busca ela relata todos os seus pensamentos e sentimentos em sua caderneta. A história se passa no Rio de Janeiro e em Lisboa (Portugal). X vai a Portugal para se libertar um pouco e se descobrir e só assim poder voltar para o homem desconhecido, depois ela retorna outras vezes a Lisboa, porém com a companhia de Y (o homem desconhecido, também conhecido como o homem do cavanhaque e Hermann)

A história é bastante melancólica, na maior parte do tempo a personagem está triste e passamos boa parte do livro ansiando pela felicidade de X, felicidade esta que ao meu ver ela só consegue viver quando está em Lisboa. 

Apesar de muitas vezes o livro se tornar tedioso devido a melancolia constante de X, não há como para de lê-lo por esperar que esta seja feliz. O livro possuí pouquíssimas falas, mas X está constantemente conversando com o leitor, como se este fosse um amigo. O livro faz com que reflitamos um pouco sobre a vida e dá para se identificar com muitas coisas ditas por X sobre a vida, sobre nós mesmo e sobre o amor.

A capa do livro não me agradou muito, achei ela muito escura e apesar da história ser obscura, não achei nenhuma ligação da ilustração da capa com a história. O interior do livro me agradou muito, mas senti falta de uma sinopse melhor e mais descritiva na contracapa.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário