28 abril 2016

Resenha: A Máscara do Rei - Francine Cândido (Primeiras Impressões)

Título: A Máscara do Rei
Editora: Arwen
Autora: Francine Cândido


Sinopse:
A história conta a guerra dos Darastrianos, dos Athears e dos Vutham no continente de Gan. A menor das ilhas principais, porém aquela que sofre mais em aspectos climáticos.
Tendo em um único continente diversos climas. O Rei e regente de Gan é Svern, um Darastriano que vive em Darastrix, a cidade fundada no poder das Celestes. Nesta cidade majestosa, o povo de Darastrix vive em paz, mas quando Auran Ossalur, um Vutham decide reconquistar a cidade para seu povo alegando que eles merecem tanto quanto qualquer Darastriano, a guerra tem inicio. Entre esses dois povos, surge um terceiro conhecido como Athear, os cavaleiros do Criador. Que vivem na cidade de Darastrix sob a ordem do Rei, mas que também se consideram povos distintos e merecedores de governar a cidade Celestial. Estas três tribos entram em uma guerra que só poderá ter um fim nas mãos de um jovem Rei, Eldon que assume o reino após a morte de seu pai Svern. 
Crítica:

Para fazer as primeiras impressões de A Máscara do Rei, pude ler 4 capitulos, o prólogo e 3 focados em diferentes personagens.

No prólogo conhecemos Eldon Vaecaesin, herdeiro do trono de Darastrix, filho do Rei Svern. Svern resolve levar o filho para uma caçada, após o Rei matar um Javali o príncipe acaba sendo picado por uma cobra e é levado as pressas pelos cavaleiros até os mestres da cura.


O segundo capítulo é focado em Sarene Vaecaesin, ela é casada com o Rei Svern, porém não é mãe de Eldon. O Rei a odeia, e ela se faz de "boa mulher" e finge preocupação com o príncipe e indignação pelo marido não se preocupar com garoto. Mas na verdade tudo o que ela deseja é se livrar de todos.

No terceiro capítulo temos a visão de Padre Mayer Mendel, que está ao lado de seu menino rezando para que ele fique bom e escape da morte. O Padre é responsável pela educação de Eldon, e tem sempre a esperança de que ele vá ficar bem, mesmo que até os mestres da cura estejam desacreditando dele. 


Na quarto capítulo, finalmente temos o outro lado da moeda. O foco é em Auran Ossalur, Líder dos Vutham, inimigo de Svern. Eles estão sempre em guerra e Auran sabe que Darastrix tem um exército muito maior e um grande poder. Mandar seu exército contra o exército de Svern seria loucura e morte certa... Mas incitado pelo oráculo e seu comandante, ele acaba declarando guerra.

E é neste momento que eu desejava ter mais capítulos do livro para poder ler. Eu simplesmente adorei o que pude ler do livro. A escrita nos prende e logo ao fim do prólogo não há mais como escapar. Adorei que os capítulos sejam intitulados com o nome dos personagens em que ele é focado. Tem uma trama cheia de mistérios e muitas coisas a serem resolvidas, isto me despertou grande curiosidade para continuar a leitura.


Espero não estar sendo pretensiosa, mas enxerguei no livro grande potencial, pois a organização do livro e o estilo me lembraram muito Game of Thrones. Claro que com toda a originalidade da autora para criar essa estória. Acho que ele possuí a receita certa para o sucesso. Não encontrei erros de português no livro. Não preciso nem dizer que mal posso esperar pelo lançamento do livro, não é mesmo? Preciso MUITO ter o livro completo em mãos! 

"Se talvez ele se preocupasse menos com os Vuthan e mais com seu povo... A guerra mata até mesmo aqueles que não vão para o campo de batalha", pensou o menino que lembrava toda vez o que seu mestre dizia sobre a guerra contra outro povo. "Inútil e desumano, principalmente desumano."
Nota:
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário