05 janeiro 2017

Resenha: Filho das Sombras - Juliet Marillier


Título: Filho das Sombras (Resenha de Filha da Floresta)
Autora: Juliet Marillier
Editora: Butterfly Editora
Número de Páginas: 615
Ano de Lançamento: 2013
Livro cedido em parceria com a Butterfly Editora.

Sinopse:
Filho das Sombras narra a história da jovem Liadan, que, tal como a sua mãe, Sorcha, herdou a habilidade de falar com os espíritos da floresta, os quais lhe segredam que ela deve permanecer, para sempre, em Sevenwaters, se quiser que as ilhas Sagradas sejam retomadas dos bretões.
A Irlanda está numa avassaladora guerra, onde um misterioso homem é temido e reconhecido
como um mercenário feroz. E, assim como sua mãe no passado, ela acaba por ser capturada e sente-se cada vez mais atraída pelo ser das sombras, apesar de saber da maldição da profecia que Seres da Floresta lhe preveniram...
Critíca:

Liadan é uma jovem se 16 anos que vive uma vida feliz em Sevenwaters com sua família. Tem dois irmãos Niamh, que é a irmã mais velha e Sean, seu irmão gêmeo. Eles são filhos de Sorcha (sim, a mesma de Filha da Floresta) e de Iubdan (Red/Hugh de Harrowfield). Após a morte do pai, Liam assumiu o comando das terras de Sevenwaters e da família, e Sean é o seu herdeiro.

O livro começa nos mostrando uma Liadan que ama Sevenwaters e não pensa em deixar a floresta. Como sua mãe, aprendeu a curar e ama cuidar de seu jardim. Uma vez sua irmã Niamh a pergunta se ela não gostaria de sair dali e viver aventuras e isso é impensável para ela que só pensa em ficar ali cuidando da família e da mãe que está muito doente. Mas algo grave acontece, envolvendo um segredo que ninguém ousa contar aos mais jovens e Niamh é dada em casamento para Lorde Fionn de Uí Neil contra sua vontade, pois a família imaginava ser o melhor para ela. Como último pedido ela pede para que a irmã a acompanhe pelo menos por um pedaço do caminho até sua nova casa e isso é feito, até que chega o dia em que Liadan precisa retornar para Sevenwaters.

Antes que possa começar sua jornada de volta para seu lar, Liadan acaba sequestrada por mercenários que acreditam em seus dons para cura para ajudar um dos seus. Os homens deste grupo de mercenários são um tipo bem excêntrico, se vestem com roupas que remetem a alguns animais e tem tatuagens que relembrem os mesmos, e cada um deles possui um nome/apelido de um animal. Quando o Chefe do bando descobre o que estão fazendo não gosta nada disso, pois haviam levado uma estranha para seu esconderijo e achava que Evan (o homem ferido) não poderia se salvar e que apenas teria seu sofrimento prolongado.

Liadan pede um tempo para salvar o homem e usa de todos os seus conhecimentos e usa tudo ao seu alcance. Aos poucos vai conhecendo melhor o bando e vendo que eles não são homens inteiramente maus e que tem muito a aprender com eles. Em sua maioria sofreram muito no passado e não tendo mais motivos para viver, o Chefe, a quem Liadan passou a chamar de Bran, lhes deu uma nova chance de serem úteis. Bran está sempre sério e fala de forma dura com Liadan, mas ela sempre o enfrenta e fala o que precisa ser dito. Aos poucos Liadan vai descobrindo que um passado obscuro ronda a mente de Bran e que ele tem motivos para agir como age. E que apesar de tudo tem um coração bom, é justo e leal aos seus.

Embora Liadan não tenha conseguido salvar Evan, ela acaba se apegando aquelas pessoas que também acabam se apegando a ela, principalmente Dog, Gull e Snake. Um sentimento acaba surgindo entre ela e o Homem Pintado (Bran), e descobrem que seus destinos estão ligados, sempre estiveram e que estão destinados um ao outro. Mais do que isso, a noite em que descobriram isso lhes rendeu um presente e um destino cruel que já parecia estar traçado pelos Seres da Floresta. Liadan volta para Sevenwaters diferente, e a irmã que não desejava aventura é a que acaba vivendo uma. Encontros, desencontros, alianças, traição, amor, segredos, ação, rancor, um mal antigo... Essas são algumas das coisas encontradas e enfrentadas por nossa protagonista em Filho das Sombras.

Eu ainda tenho muito mais para falar sobre esse livro, mas não posso continuar falando sobre sem acabar dando um spoiler. Mais uma vez Juliet Marillier conseguiu o meu amor com esse livro. Ela já havia ganhado meu coração com Filha da Floresta, mas Filho das Sombras terminou de fazer o trabalho direitinho. Amo a Sorcha e não sabia como seria esse livro sem a sua narração, e fui surpreendida, pois acho que amei mais ainda a narração de Liadan. Se é que isto é possível, já que o primeiro livro já havia virado meu xodó. Amei a personagem de Liadan, ela tem muito da Sorcha e de Red, mas ela é única em sua maneira. Ela é uma mulher forte e que não tem medo de enfrentar um homem se ele estiver errado ou sendo injusto. É também muito inteligente e se mostra uma excelente estrategista e pode fazer tudo para manter seguros aqueles a quem ama. No início ela tem muitos medos, mas a medida que ela vai amadurecendo vai ficando mais forte. E eu simplesmente amei ela ousar desafiar os Seres da Floresta. Tenho um pouco de "birra" com os Seres da Floresta desde o primeiro livro, mas ao contrário do primeiro, eles não ajudam em nada neste e querem mandar na vida dos mortais como se eles fossem meros instrumentos para mantê-los em segurança. Se eles são tão poderosos assim, deviam eles mesmos cuidar de seus problemas e não ficar se intrometendo na vida de meus personagens favoritos. Outro personagem que me irritou bastante foi Conor, acatando tudo que os Seres da Floresta querem e se intrometendo demais na vida de Liadan. E um que reforçou meu respeito por ele foi Finbar que se mostrou o mais sábio de todos e um verdadeiro amigo.

O livro me prendeu do início ao fim e a escrita de Juliet Marillier está ainda melhor. Foi um livro muito emocionante e cheio de sentimentos, chorei o triplo do que chorei com o primeiro. Me envolvi bastante com a estória. E não é nada previsível, pois o que você pensa que vai acontecer de início, não é o que realmente acontece. Com os livros dessa autora, aprendemos a abandonar o clichê e vivenciar um romance que ocorre dentro da realidade, mesmo sendo um livro de fantasia. E mais uma vez, digo que se engana quem pensa que este livro imenso é cansativo e se leva eras para realizar a leitura. A leitura é fluida e muito rápida, apesar da muita informação tudo pode ser facilmente absorvido pelo leitor. A construção do livro é maravilhosa, a autora conseguiu de vez o meu favoritismo e quero ler qualquer coisa que ela escrever.

A arte da capa é linda, tem letra em alto relevo e metalizada. A diagramação do livro é perfeita, desta vez no início cada capítulo temos, além dos desenhos celtas no topo e na borda, penas negras de corvo. Os intervalos de tempo durante a estória ainda possuem um pequeno símbolo os separando. No ínicio do livro há uma área especial explicando pronúncia de nomes, divindades e celebrações celtas. As folhas do livro são amareladas de forma ideal para uma agradável leitura. Tudo muito bem pensado e preparado pela Butterfly Editora para o agrado do leitor.

Nota:

[...] Tentava me colocar no lugar dela, imaginando o que eu sentiria caso Sean fosse para a guerra e morresse pela espada de um estranho. Será que sentiria o momento em que seu sangue estivesse deixando de correr nas veias, sua respiração cessasse e seus olhos deixassem de brilhar, olhanfo fixos e sem vida para o céu? - Pág. 59
Voltei para Sevenwaters no cavalo do Homem Pintado, com seu manto me aquecendo, levando um colar de garras de lobo no bolso e sangue nas mãos. Estava cansada de poder mudar as coisas. Cansada de Seres da Floresta, de vozes de espíritos antigos e de visões de morte. O que eu era além de uma simples mulher em um mundo de homens irracionais? Nada havia mudado. Nada além de meu mundo interior, que ninguém podia ver. - Pág. 235.
[...] Podemos ter muitas limitações. Mas dentro de nossos limites temos o poder de mudar as coisas, de fazer escolhas e de ir onde precisamos ir. [...] - Pág. 452
- Mas acho que o mundo é simples, em sua essência. Vida, morte. Amor, ódio. Desejo, realização. Magia. Talvez só esta última seja mais complicada. - Pág. 575
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Eu simplesmente adorei ler A Filha da Floresta e, recém terminada a leitura, tive que solicitar à Butterfly O Filho das Sombras. Fiquei realmente feliz com sua resenha atestando a qualidade da história, porque apesar de ter adorado o livro, me apeguei bastante à Sorcha e fiquei meio chateada por ela não ser a personagem principal de O Filho das Sombras, hueiheuie. Agora sim, fiquei louca pra ler o livro <3

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mana... Te falar a verdade eu também fiquei super apreenssiva por Sorcha não ser a protagonista de Filho das Sombras. Mas agora to apreenssiva por Liadan não ser a do próximo kkkk a Liadan é muito maravilhosa. Vai fundo em Filho das Sombras! Vai amar!

      Excluir