02 janeiro 2017

Retrospectiva de Leitura: Janeiro/Fevereiro de 2016


Hello Cults!

Antes de mais nada... FELIZ ANO NOVO! Desejo a vocês um excelente 2017, que seja um ano de sonhos realizados e de objetivos cumpridos. Muito sucesso para vocês!

Já que um novo ano está começando, nada mais justo do que relembrar um pouco do ano que passou. Por isso, estarei fazendo uma série de postagens com as minhas leituras realizadas no anos de 2016. Como em alguns meses eu li mais do que em outros, eu dividi a retrospectiva em 5 para não ficar cansativo para vocês. Vou deixar com cada livro o link para a resenha caso desejem realizar a leitura.


Janeiro


Após mergulhar num mundo sombrio cercado por assassinos e traidores, Birman Flint depara-se com uma estranha verdade em torno de um antigo legado transformado numa maldição. A busca pelo misterioso artefato conhecido como Ra´s ah Amnui pode ser a resposta para a conspiração em torno do Czar Gatus Ronromanovich e sua família, conduzindo Flint por caminhos obscuros muito além da sua própria compreensão. Um artefato, uma estranha seita e um assassinato, todos eles interligados por algo que parece representar a chave deste misterioso enigma. Uma jóia, um objeto de rara beleza ocultando em si um passado sombrio, lançando nosso herói numa corrida contra o tempo para salvar a dinastia Ronromanovich do desastre iminente.
Quem não gostaria de ter um gato de botas como aliado? Volte a infância e lembre o que o gato de Charles Perrault, herança do filho mais novo do moleiro, conseguiu a ele em troca de um par de botas e um saco. Ficamos adultos e vai-se longe a possibilidade de casar com uma princesa, ter um castelo, ficar amigo do rei. Mas se gatos de botas não existem de verdade, existem os Gatos sortudos.

As histórias deles em vários casos se aproximam de um conto de fadas, tem pelo menos um final feliz e muitas emoções no seu desenrolar. Descubra o que se passou com a Chica, que caiu do sétimo andar e tendo por isso ficado paraplégica e encontrado uma protetora que lhe deu ajuda e carinho e hoje compartilha muitos momentos felizes. Ou então com o Ozzy que teve dificuldades para aprender a andar, comer ou usar a caixinha, mas superou tudo isso, já foi até entrevistado em programa de televisão e está todo bonitão aqui na capa do livro.

Além deles têm a Pietra, a Emília, o Romeu e vários outros cujas histórias vão lhe emocionar e fazer rever um pouco da relação dos homens com os felinos e com os animais em geral, entender porque ocupam um papel tão importante na vida contemporânea. Se você já tem um gato, sabe do que estamos falando, vai encon- trar aqui um pouco do que vive com seu bichano. Se está apenas pensando em encontrar um companheiro, mas ainda tem dúvidas, melhor não ler este livro. Se continuar a leitura, é certeza que terá em breve um novo habitante na sua casa.

Se além de belas histórias de gatos e gente, quiser também conhecer a história de gente que se mobiliza de verdade pelos gatos, é só ler o anexo do livro com o histórico da ONG Adote um gatinho. Ah, todos os direitos autorais se transformarão em recursos para que o trabalho não pare!

Todas as suas lembranças foram permanentemente apagadas.
Tudo é confuso, frio e desconhecido ao seu redor.
De repente, ela surge como uma luz em meio à escuridão.
E sua única certeza é que só a soltaria quando ela lhe soltasse.


Do que é capaz uma mulher traída? Isabel Dias refletiu, refletiu e perdoou, pensando no futuro. Mas descobrir novas mulheres do seu marido foi demais. Avisou os três filhos e exigiu a separação, chamou isso de “Operação Chega de Bandalheira”. Deixou sua cidade e veio para São Paulo. Na frente do espelho resolveu mudar, partiu em busca da sua feminilidade, não aceitando estar velha demais para não poder “aproveitar a vida”. No começo queria vingança, não contou para ninguém mas saiu em busca de 32 homens, um para cada ano que passou casada. Precisou de coragem e ousadia, mas encontrou muito mais do que o prazer lindamente narrado em cada história. Encontrou uma feminilidade desconhecida, enfrentou medos, temores, tabus, queria a verdade, queria os limites, com alguns se decepcionou, mas descobriu que sabia pouco de si mesma, que era uma mulher muito mais completa do que pensava. E ainda por cima resolveu dividir isso com as mulheres e com os homens. Produziu um livro que é erótico, mas é também libertador para elas e questionador para eles. É uma jornada de auto-conhecimento onde o leitor participa como voyeur da história dela, mas ativo na própria história, é impossível ler 32 e não pensar no próprio relacionamento. 32 excita, questiona, incomoda, liberta, distrai, informa. Não é exagero dizer que muda vidas. Depois dele, talvez a traição seja mais pensada e discutida dentro dos casais. Prefácio do “especialista em relacionamentos” Xico Sá.

 Sair da zona de conforto. É isso que Ricardo D’Addio, professor de biologia e autor de Outros céus – deixando de lado a rotina em busca da diversidade, beleza e liberdade, procura em suas viagens ao redor da terra. Com uma mochila nas costas e muita disposição pela frente, D’Addio viajou pelos quatro cantos do mundo e conta essas experiências em seu livro de estreia. Patagônia, Cordilheira dos Andes, Puerto Montt, La Puna, Pucon, Cuzcu e Tambo Quemado são alguns dos lugares pelos quais D’Addio passou, em meados dos anos 1980, quando começou a conhecer o mundo. Em sua primeira aventura teve a companhia de mais três amigos, e como todo marinheiro de primeira viagem, passou pelas mais inusitadas situações. Cinco anos depois, Ricardo voltava aos mesmos lugares, mas desta vez levando junto seu irmão e sua namorada, no que ele chamou de “lua de mel”.

Depois de passar no teste “mochilão”, o casal nunca mais parou de viajar. Foram da América do Sul para a África, visitando países como Namíbia, Botswana, Zimbábue, Malaui, Tanzânia, Deserto do Kalahari, e diversas outras regiões um tanto quanto singulares. Já conheceram Índia, Vietnã, Israel e Egito, experimentaram os pratos mais exóticos e convivendo com povos extraordinários. As histórias de D’Addio são riquíssimas e aproximam o leitor dos lugares por ele visitados, mostrando que o choque cultural é algo engrandecedor. Um livro de aventuras construído através do olhar de um biólogo apaixonado por sua profissão, Outros céus nos faz querer deixar o conforto de um hotel cinco estrelas para vivenciar os desafios da natureza em sua forma mais crua, e repensar nossos destinos e nossas escolhas, e mostrando que sempre há uma beleza exótica e desconhecida pela qual podemos buscar.

 Ah, ainda lembro-me dele.
Já se passaram tantos anos, mas parece que foram apenas alguns dias.
Lembro-me dele, como se o tivesse visto há poucos instantes.
Mesmo depois de crescido e envelhecido, ainda sinto a sua falta.
E não há nada que possa amenizar minha saudade, a não ser...
O sorriso das estrelas. Elas ainda me confortam...
Te contarei um pouco desta história, que faz parte da minha.
O descreverei aqui, para vocês...
Não posso falar-te muito a respeito.
Precisaria de um livro de um milhão de páginas.
Irei resumir, mas não te preocupes: revelarei momentos extraordinários e falarei de algo incrível que nunca esqueci.

Nota do autor: Um livro de literatura juvenil, mas que os pais deveriam ler. Uma história breve, simples, entretanto, tolhida de ensinamentos, e aliciante do começo ao final. Embarque em uma narrativa filosófica e poética onde o autor apresenta um menino e um ser de outra galáxia para nos mostrar com esmero, sobre como se viver sabiamente.

Fevereiro


Seth R. é um jovem extremista, um pensador que vive entre aulas matinais na faculdade e noites de treino numa sociedade clandestina e assassina em Vojerasa. Seth tem duas obsessões que controla com frieza e paciência: manter Lauren, seu amor platônico e sôfrego, pura para sempre e matar o conde Luendres Marquez. Tudo foi planejado. Ele tem um plano perfeito. O mártir perfeito em quem se apoiar. Seth fará o impensado e causará a Primeira Grande Guerra.


Conheça Harry, filho de Tiago e Lílian Potter, feiticeiros que foram assassinados por um poderosíssimo bruxo, quando ele ainda era um bebê. Com isso, o menino acaba sendo levado para a casa dos tios que nada tinham a ver com o sobrenatural pelo contrário. Até os 10 anos, Harry foi uma espécie de gata borralheira: maltratado pelos tios, herdava roupas velhas do primo gorducho, tinha óculos remendados e era tratado como um estorvo. No dia de seu aniversário de 11 anos, entretanto, ele parece deslizar por um buraco sem fundo, como o de Alice no país das maravilhas, que o conduz a um mundo mágico. Descobre sua verdadeira história e seu destino: ser um aprendiz de feiticeiro até o dia em que terá que enfrentar a pior força do mal, o homem que assassinou seus pais, o terrível Lorde das Trevas.

 Será que talismãs, medalhas, amuletos e guias são objetos místicos protetores? Oferendas, promessas, penitências e rituais são demonstrações de atos elevados que agradam a Deus? Confissões, batismos, velas para anjo da guarda, extrema-unção, dízimo, (obrigação bíblica), são atos salvadores que nos levam a Deus? Ou será que são coisas místicas, crenças, demonstrações de fé em um criador Supremo como se fossem coisas elevadas que agradam a Ele, mas que apenas traduzem o sentimento religioso do homem? Por que Jesus já nos alertava quando afirmava: "Em vão me honram com preceitos que são dos homens". Para estas e outras questões e sem se arvorar como dono de verdades, o autor nos brinda com seus pontos de vista a respeito da fé cega e, de maneira lógica, fará com que o leitor, inevitavelmente, medite no porquê de tantas dissensões existentes em nome de Deus.

Nathan, filho de uma bruxa da Luz com o mais poderoso e cruel bruxo das Sombras. O adolescente vive com a avó e os meios-irmãos e é visto como uma aberração por seus pares. O Conselho dos Bruxos da Luz vê nele uma ameaça, que precisa ser domada ou exterminada. Prestes a completar dezessete anos – época em que todos os bruxos passam por uma cerimônia em que seu dom é finalmente revelado bem, como sua denominação como bruxo da Luz ou das Sombras –, agora Nathan terá que correr contra o tempo para achar o pai, que jamais teve oportunidade de conhecer, e salvar a própria pele.

'A Narradora se desespera; ‘O que você, Caroline, gosta no fato de ter filhos?’ , ‘Gosto da facilidade de se amar os filhos’. Gosto da facilidade de se compreender este texto. Gosto da tradução da Risa. Da poesia da Jennifer. Do ritmo alucinado de sua calma. Batidas à porta. Mais portas. Menos janelas. Mais saídas reais. Apareça lá em casa. Mesmo. Traga seu pijama. Eu acendo a lareira. Eu não tenho lareira. Mas acendo. Também trago no peito as marcas das minhas listas impossíveis. Também preciso parar. Abrir a porta. Pois trago no peito a memória de nossa humanidade possível. Apareça. Agora estou menos enlouquecida. Agora estou aqui, de verdade.


É isso aí, essas foram minhas leituras dos meses de Janeiro e Fevereiro. A próxima retrospectiva sai na quarta-feira, mas amanhã tem post normalmente! Para não ficar muito cansativo estou alternando as retrospectivas com postagens comuns que já iam sair no blog. Se você se interessou por algum desses livros, não deixe de dar uma lida na resenha para conhecer melhor!

Beijinhos e Até a Próxima! 
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Oiee Pamella ^^
    Dos livros mencionados, os únicos que eu li foram "A estranha mente de Seth" (mas não o finalizei...hehe' parei na metade) e "Harry Potter", mas acabei não gostando muito. Tenho muita curiosidade de ler "Half Bad", mesmo não gostando muito de bruxos e coisas do tipo. Ainda não conhecia os outros livros *-*
    MilkMilks ♥
    Milkshake de Palavras

    ResponderExcluir