20 setembro 2017

Resenha: Uma viagem nem um pouco sonhada - Arlene Diniz


Título: Uma viagem nem um pouco sonhada
Autora: Arlene Diniz
Editora: UpBooks
Número de Páginas: 260
Ano de Lançamento: 2017
Livro cedido em parceria com a Editora.
Resenha em Vídeo

Sinopse:
Shopping. Cinema. Piscina. Praia. Festas do Pijama regadas a muito brigadeiro. Tudo isso estava na lista de coisas essenciais para as férias de verão perfeitas de Betina, uma carioca de 15 anos super-descolada. Criada numa família cristã, vai à igreja desde a barriga da sua mãe. Mesmo assim, Betina não leva a fé muito ao pé da letra e vive a vida da maneira que acha melhor. Ela e suas duas melhores amigas, Beca e Luca, planejaram as férias por meses. O que não estava nos planos de Betina, porém, era que sua mãe viesse não com a proposta e sim com a informação de onde toda a família passaria as férias de janeiro: na casa da prima Zuleide, numa cidadezinha de interior que cheirava a esterco chamada Gruta Alta. A menina retrucou, chorou, esperneou... Mas nada foi suficiente para fazer a Dona Gláucia mudar de ideia, porque essa quando põe algo na cabeça... Sai de baixo! Betina que o diga. O jeito então foi arrumar as malas e partir rumo à roça. Mas para que a mãe não achasse que Betina se deu por vencida, a garota de opinião firme estava determinada a passar as férias inteiras trancada no quarto com cara de poucos amigos. Ela só não podia imaginar que as duas primas bregas até o último fio de cabelo que conhecera na infância estariam tão mudadas. Nanda e Sissa eram bonitas por fora e, principalmente, por dentro. Através delas, Betina conheceu uma galera pra lá de diferente que não só tirou seu desgosto com a viagem, como também marcou sua vida para sempre — até a eternidade.
Neste livro conhecemos Betina, uma garota de 15 anos que não está nada feliz de ir passar suas férias em uma cidade do interior chamada Gruta Alta. Foi emburrada e determinada a ficar todos os dias trancada em seu quarto em protesto pela "injustiça" de estar sendo privada de passar suas férias com suas melhores amigas Becca e Luca. Mas o que ela não contava é que suas primas Clarissa e Fernanda não deixariam que isso acontecesse e nem que o mau humor de Betina a impedisse de se divertir.

Logo quando se encontram já levam Betina para passear pela cidade e estão sempre falando de Deus, o que faz com que ela se sinta estranha. Desde quando adolescentes falam tanto assim de Deus? E desde quando lêem a Bíblia? Betina logo ficou interessada em ir no culto dos jovens da igreja que frequentavam, mas não porque queriam ouvir a palavra de Deus, mas porque queria ver os gatinhos que haviam na Igreja. Não deu outra, ela não prestou atenção em nada do que foi falado e apenas mirou no garoto que descreveu como um anjo e que ajudava a ministrar o culto. Esse garoto se chamava Noah e lhe foi apresentado pelas primas depois.

A medida que passava o tempo com as primas, com Noah e os novos amigos da Igreja, ela percebia algo estava se mexendo dentro dela. Tentava negar essa mudança, mas chega um momento em que os olhos se abrem e não se podem mais fechar para a realidade. A partir de então ela resolveu aprender, errou muitas vezes, mas continuou tentando, se desculpou, aprendeu mais, orou e continuou caminhando. Uma viagem nem um pouco sonhada é mais que um livro adolescente cristão, é um livro sobre como muitas vezes estamos perdidos e escolhemos recorrer aos prazeres da vida, ao invés de olharmos para o que Deus tem planejado e quer para nós. Ele quer muito mais do que almejamos e nem sempre o que queremos é o que ele tem planejado para nós, e só porque a maioria das pessoas faz, não quer dizer que aquilo é a coisa certa a se fazer.

Esse livro é uma obra preciosa. Fala sobre o relacionamento com Deus, amor, mudança, guardar o coração em Deus, confiança e muito mais. Os personagens foram bem construídos e acaba se criando um vínculo por cada um e um carinho especial, especialmente por Betina, Nanda, Sissa e Noah. Um livro para adolescentes, mas que me ajudou a aprender e me lembrar de muitas coisas que já havia esquecido. A estória é bem construída e tudo o que pode não ser entendido por alguém que venha ler o livro, está explicado. É inspirador, renovador e aquece o coração de quem lê.
A capa é muito fofa e a ilustração dá um ar jovial e caloroso. A diagramação é muito linda e fofa, super cativante e agrada aos olhos durante a leitura. O material do livro é de alta qualidade e possuí páginas amareladas agradáveis para os olhos. Recomendo esse livro para todos, para adolescentes e para adultos. Que os jovens possam aprender e se inspirar, e que nós adultos relembremos de quando tínhamos a idade de Betina e também aprendamos com todas as lições passadas no decorrer do livro.

Nota:

Sabe quando você se sente especial e amada só por uma atitude? Ninguém precisou dizer que gostava de mim ou da minha companhia, eles só me abraçaram com sinceridade e isso bastou. Os três mal me conheciam, mas eu podia ver amor em seus olhos e aquilo me constrangeu. - Pág. 46
- Betina, Jesus nunca nos disse que a vida seria fácil ou que não passaríamos por problemas e dificuldade. Muito pelo contrário. Em João 16.33, Jesus diz que no mundo teríamos aflições, mas que deveríamos ter bom ânimo porque Ele venceu o mundo! - Ela colou um sorriso cheio de esperança no rosto. - Andar com Deus não é ter a ausência de problemas, e sim a certeza de que Ele estará ao nosso lado em todas as situações, inclusive quando as tempestades chegarem. - Pág. 182
- Coração não foi feito para estar sempre sendo servido em bandejas. Ele deve ficar guardado como uma joia preciosa, o que de fato é. Muitas vezes o desejo de nos sentirmos desejados e amados faz com que a gente se entregue de corpo e alma a relacionamentos e pessoas e depois de um tempo o que sobra são caquinhos do coração para catar pelo chão e um poço de memórias doloridas. - Pág. 243
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário