25 outubro 2017

Resenha: Destino Tortuoso - Cláudia Salviano Andrelo


Título: Destino Tortuoso
Autora: Cláudia Salviano Andrelo
Editora: Serial Books
Número de páginas: 253
Ano de Lançamento: 2014
Livro cedido em parceria com a autora.

Sinopse:
Na França do século XVI nasce uma criança. O frio imperdoável torturava aquela família desprovida de luxos, mas com fortes mãos para o trabalho. Tudo o que Edmond mais queria era um filho, um rapaz que o ajudasse no trabalho duro, mas as coisas nem sempre saem como o esperado e sua esposa dá à luz a pequena Eveline. Edmond de homem bom e honesto torna-se vil e assustador, fazendo da vida de seus familiares um inferno. O tempo passa e Eveline se transforma em uma linda mulher, boa como a mãe, querida por todos, menos por seu pai e sua nova madrasta. Edmond e sua nova companheira farão de tudo para ver Eveline sofrer, até mesmo casá-la com um estranho por dinheiro. Eveline sempre tão boa e generosa irá aguentar calada tudo o que seus algozes a farão passar? Ou a experiência iluminará sua mente trazendo à tona todos os rancores do passado?

O livro conta a história de Eveline, que por ter nascido mulher, sofre uma extrema rejeição do seu pai, que queria um menino, para ajudá-lo no trabalho na fazenda. Eveline já nasce num ambiente hostil, com o pai culpando a mãe porque a criança nasceu uma menina e a punindo por isso. Com a morte prematura a mãe, devido ao que se explica como sendo complicações do parto, o que não parece bem verdade, a família tem que viver sob o jugo de Edmond, pai de Eveline, que nunca se conforma com o nascimento da filha a odiando com veemência. Eveline, apesar do sofrimento com a rejeição do pai e com a perca da mãe, cresce uma jovem muito bela, carinhosa e amorosa com todos com quem convive.

Com o tempo, Edmond se casa mais duas vezes e encontra o amor, mesmo que de forma sádica, em Lorena, uma jovem mesquinha, egoísta e que, como o marido, maltrata Eveline sempre para benefício próprio. O casal resolve então, por causa da beleza de Eveline, se aproveitar dela casando-a com alguém muito rico que os beneficiasse e os tirasse da vida simples que era o máximo que Edmond conseguia dar para a família. Por fim, conseguem casá-la com um conde extremamente rico, mas muito enigmático. Eles encontram amor um no outro, mas tragédias das mais impensáveis acontecem com todos os envolvidos. Eveline, antes uma pessoa amável e carinhosa, se torna hostil, insensível e cruel. Mas o destino ainda tinha seus planos para que vidas antes muito envolvidas voltassem a se cruzar.

Particularmente, achei o plot do livro muito interessante, a personalidade dos personagens e a forma como suas histórias se interligavam me chamou muito a atenção. Muito raro encontrar bons enredos assim na literatura brasileira, ainda mais no gênero de horror. Mas achei o desenrolar da história muito confuso, em momentos em que era para o momento e os sentimentos dos personagens serem mais explorados, tudo mudava repentinamente sem grandes explicações, o que levou os personagens aparentarem não ter boas motivações para suas ações. Enquanto em outros momentos, em que aconteciam coisas triviais que não influenciariam no desenrolar da história principal, os acontecimentos eram muito esmiuçados e detalhados, trazendo um certo cansaço ao leitor. Infelizmente, isso tudo me fez perder um pouco o interesse no livro, que tinha o enredo certo para o desenrolar de uma história ótima, mas acabou sendo maçante em boa parte.

Por mais incrível que pareça, os personagens que eu mais gostei foram os mais desnecessários, exatamente por isso. As histórias desses personagens em questão não interferem no enredo principal, mas aparecem apenas para passarem por tragédias e depois serem esquecidos no decorrer do livro. Uma dessas personagens é Anete, uma criada de Lorena, que durante toda a sua aparição no livro só sofreu tragédias e depois foi completamente esquecida. A história dela é tão trágica e sem importância que se tornou cômica para mim.

Em relação às partes de horror do livro, apesar de realmente se enquadrarem bem nesse gênero, não provinham de motivações que justificassem essas ações. O que novamente deixou a história um pouco maçante. Apesar de tudo, o livro ainda tem pontos bons, como uma história de amor, mesmo que conturbada, muito bonita. Infelizmente não gostei muito do livro como um todo, mas acredito que histórias boas assim podem ser bem desenroladas, assim como espero que seja com a sequência do livro. Ainda assim tenho esperança de que a história de Eveline possa ter um desenrolar muito melhor, pois realmente acho que a personagem ainda tem muito para contar sobre sua história. 

Nota:
A neta estava realmente linda e não era mesmo difícil passar como uma das damas de Paris; sabia ler e escrever, tendo como mestre o avô, que sempre lhe fora muito dedicado e recebera uma educação esmerada da avó que sempre fizera questão de não permitir que a neta fosse uma tola e que, por ignorância ou falta de princípios, caísse nas mãos de um homem feito o pai. - pág. 57
Vendo que não tinha escolha, Eveline apenas a seguiu. Não tinha forças para protestar e também sabia que se dissesse uma única palavra se impondo, levaria outra surra do pai. Ainda possuía algumas marcas da violência em que fora vítima e não gostaria de passar por tudo aquilo novamente. - pág. 63
Lorena preferiu ficar quieta, mas em seu íntimo desejava ver Eveline morta e cortada em pedacinhos. Agora sim, passara a odiar ainda mais aquela vadiazinha com cara de sonsa e, assim como Edmond, não descansaria até que pudesse colocar as mãos naquela mulherzinha dissimulada e destruí-la para sempre. - pág. 97
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário